Ensaio pré-Casamento – parte 1

Eu e Daniel estamos perto de oficializar nossa união,  o que significa muita correria até podermos curtir o grande dia.

Ajuda quando a gente ganha quatro presentões assim:

1) Uma amiga linda e amada chamada Ana Telma;

2) Uma assessorada talentosa chamada Ana Telma;

3) Uma madrinha chamada Ana Telma;

4) E não um, mas dois ensaios assinados por ninguém menos que a super fotógrafa Ana Telma Furtado.

Tenho a sorte de ter amigos muito talentosos e ser fãzoca deles. A Ana entra fácil nesse grupo e foi uma honra ser fotografada por ela, que é especialista em clicar famílias. O Daniel é a minha, e ela soube como ninguém captar esse amor todo. Até falei sobre isso com o blog Colher de Chá Noivas, que me entrevistou (cof cof) sobre esse ensaio.

Vim compartilhar com vocês algumas fotos feitas por ela, só porque não é todo dia que a gente ~modela~ pra alguém com tanta técnica e ao mesmo tempo tanto coração para traduzir sentimentos e emoções.

Dá uma olhada:

IMG_3154

IMG_3160 IMG_3236 IMG_3510 IMG_3616 IMG_3669 IMG_3675 IMG_3718 IMG_3736 IMG_3739 IMG_3746 IMG_3769 IMG_3810 IMG_3851 IMG_3859 IMG_3871 IMG_3969

Vocês podem conferir o restante das fotos AQUI.

Enjoei e tô vendendo

Gente, nunca tinha usado o Enjoei, a não ser para babar nas coisas lindas que muita gente vende por lá. É de segunda mão, mas é limpinho.

Aí fui mexer em umas caixas que deixei para trás na casa da minha mãe e encontrei essa sapatilha que comprei há um tempo. Usei umas três vezes e me arrependi da compra por impulso (malditas promoções). Acabei levando um calçado que não me servia direito e logo aceitei a derrota.

Foi quando decidi experimentar o Enjoei, e que plataforma linda, cheirosa e simpática! Adorei e montei minha lojinha por lá, que agora tem exatamente um item: a sapatilha.

Então vim aqui mostrar pra dizer que, tipo… Tamo aí na atividade.

enjoeisapatilhamrcat

 

Crise de um quarto de século

De boas aqui no Globo de Ouro zerando a vida

De boas aqui no Globo de Ouro zerando a vida

Então chegou aquela época do ano. O comércio faz questão de esfregar na sua cara: acorda, mané, chegou o Natal. Parabéns por sobreviver a mais um ano e chega mais que a gente divide essa TV nova aqui em 24 vezes no cartão.

2014 foi um ano atípico, porque passou tão rápido quanto os outros, mas com muito mais emoção. Muita gente importante morreu, teve Copa do Mundo (apesar de que disseram que não ia ter) e teve Dilma reeleita (apesar de que disseram que não ia ter). Mas vai chegando o finzinho do ano e eu me pego pensando em tudo que mudou, principalmente porque eu fico mais velha em dezembro. Esse ano completo 27, aquela idade que a cultura pop nos faz acreditar ser um momento de definição na vida de uma pessoa, em que ou engata a segunda marcha, ou capota de vez.

Acho que engrenei a segundona e fui. Pensando só em um ano atrás: fundei a Build Up Media com meu noivo, que era meu namorado na época; decidimos nos casar, morar juntos e ter um cachorro imaginário chamado Thelonious, que um dia vai ganhar a forma de um golden. Agora sou jornalista diplomada, orgulhosa de me juntar à categoria. E troco emails com decoradoras, buffets, locadoras de vestidos de noiva.

Não que eu seja de ficar ruminando o passado, mas sempre vale bater uma checklist de tempos em tempos. E eu venho pensando no quanto a vida da gente muda, quase sempre para melhor. É engraçado como deixamos pra trás coisas, pessoas, vidas inteiras pela simples necessidade de adaptação. Cinco anos atrás eu estava em outra cidade, com outra profissão, outros amigos e perspectivas muito, muito menores. Já escrevi sobre isso aqui, eu sei.

Daí que eu estava lendo o livro da Lena Dunham, “Not that kind of girl (a young woman tells you what she’s ‘learned’)” e me bateu essa mesma sensação. Estou quase na página 80 e já me sentindo super próxima da LD. Ouço ela contar as próprias histórias no audiobook, acompanho no livro físico e me pego balançando a cabeça pra cima e pra baixo, concordando com pequenos sorrisos sobre cada amizade que foi pro brejo, cada cara babaca, cada trauma de infância. Já somos BFFs.

Como sua personagem em Girls, Lena gosta de escrever pequenos ensaios sobre a vida, o universo e tudo mais. São histórias reais levemente alteradas que falam sobre a relação com o corpo, trabalho, role models. Ela escreve como fala e isso dá uma autenticidade tão grande ao que ela compartilha que você só quer sentar com uma xícara de café numa mão, o livro na outra e torcer para que o sono demore a vir.

Terminei hoje uma seção de historietas de amor e sexo que ela destila como se fossem pequenas gotas de sabedoria. Sem a pretensão, mais como uma amiga contando pra outra porque evitar certos tipos de rapazes. Acompanhei momentos vergonhosos de sexo desconfortável até chegar ao namorado atual da Lena e a felicidade que faz toda a bagagem valer a pena.

E aí rolou outro daqueles momentos de concordar silenciosamente com o livro quando ela falou assim:

And now I come to him, whole and ready to be known differently. Life is long, people change, I would never be foolish enough to think otherwise. But no matter what, nothing can ever be as it was. Everything has changed in a way that sounds trite and borderline offensive when recounted over coffee. I can never be who I was. I can simply watch her with sympathy, understanding, and some measure of awe. There she goes, backpack on, headed for the subway or the airport. She did her best with her eyeliner. She learned a new word she wants to try out on you. She is ambling along. She is looking for it.

Lena e eu temos mais ou menos a mesma idade, ela um ano mais velha que eu. Temos uma admiração gigantesca pela Nora Ephron, mas nossas semelhanças acabam aí. Ela vem de uma família artística americana, frequentou uma faculdade liberal em Ohio e hoje nem se fala: é criadora, diretora, roteirista e atriz em sua própria série da HBO. Ela venceu na vida e eu ainda estou a caminho de realizar alguns dos meus sonhos – de ter um cachorro com nome de pianista de jazz a dirigir um filme com um elenco já escalado em algum documento que eu guardo na cabeça há quase 10 anos.

Fui procurar no arquivo do blog um texto que eu achei que tinha escrito sobre a tal quarter life crisis, algo que me bateu em plenos 25 anos e me transformou num clichê. Mas não encontrei, me dei conta de que não deixei esse mimimi por aqui e fiquei orgulhosa de mim mesma. Sinal de que a crise não foi tão grande quanto eu pensava.

Lena também parece estar nessa fase de olhar para trás, reavaliar o que foi positivo, descartar o que foi negativo e olhar para frente. Eu sei que eu estou, e encontrei no livro uma melhor amiga que está me dizendo que a parte mais legal ainda está por vir.

Adoro quando isso acontece.

Mineira, uai

Quando me mudei para Petrópolis, há pouco mais de três anos, todo mundo me perguntava de onde eu era. Dizia, com certa hesitação, que era de Leopoldina, o que justificava o meu mineirês.

Agora acontece o inverso. Não só pessoas que me encontram pela primeira vez pararam de questionar minha origem, como meus amigos de Minas começaram a acusar meu suposto carioquês. Não puxo o S, mas há quem diga que eu ando prolongando as vogais…

Me senti menos eu. Só então me dei conta do quanto a terra natal significa na definição de quem a gente é. E me orgulhei ao perceber que serei mineira onde quer que eu vá – seja a serra fluminense, Nova York ou Paris. Ninguém precisa saber que a mineirinha está ali em algum lugar, desde que ela sobreviva nos ‘uais’, na paixão pelos queijos, na batida acelerada do coração à vista das montanhas…

Mas então, quando menos se espera, lá vem a mineirice sair do esconderijo e dar as caras. Sem mesmo me dar conta, solto uma frase que ninguém na Cidade do Pedro conhece. E é ali, naquela expressão de confusão no rosto fluminense, que eu me realizo. Na falta de compreensão do outro, tudo faz sentido pra mim.

Ao mestre, com muito carinho

Essa foi a última semana na faculdade – desse semestre, pelo menos. Provas finais feitas, presentes de amigo oculto trocados, férias. Esse período aprendi a segurar uma câmera (e pouco além disso), conheci os primórdios da comunicação, descobri que sei ler do TP, y otras cositas más. Porém, o que mais ficou do meu primeiro contato com a Comunicação Social foi um senso crítico aumentado, exponencialmente até.

Isso, graças ao professor Bibiano. Professor de Linguagens, foi através dos mais belos e variados textos que Bibiano nos mostrou uma língua bela – a nossa. E foi através dos textos jornalísticos mais mal escritos que o professor mostrou o quão importante é a organização das ideias, a perfeita concordância, os perigos da ambiguidade. Eu, que já não era fã dos erros de Português (ou de qualquer outro tipo) em publicações, me vi ainda mais crítica do que leio, e principalmente do que escrevo.

E foi aí que parei para pensar no quanto nossos professores moldam nossa vida, atitudes e opiniões. A minha primeira professora, na verdade, foi minha mãe.  Entre muitas outras coisas, ela me ensinou que ler era legal. Muitas das minhas memórias de infância incluem minha mãe lendo algo – que fosse uma revista, trabalhos de alunos, a Bíblia. Eu achava o máximo ver os olhos ela correndo pela página, tão ligeiros. Foi então que aos 4 decidi que já era grande o suficiente para aprender a fazer o mesmo. Era uma verdadeira sede de leitura. E a primeira palavra que ela me ensinou foi to-ma-te. Me lembro como se fosse ontem. Nós duas, sentadas ao sofá, usando um banco como suporte. Minha mãe escreveu algumas palavras em um papel de pão (essa memória pode ser implantada, admito), me ensinando as sílabas mais simples. E eu aprendi o resto sozinha. Resultado: gosto de juntar sílabas até hoje.

Tia Rozana me ensinou que eu podia faltar aula e ainda assim dar conta do recado. Como estudava na mesma escola onde minha mãe trabalhava (e que por sinal ficava em Tebas, distrito de Leopoldina, sinônimo de milhares de idas e vindas de ônibus ao longo dos anos), ela às vezes dizia que eu podia ficar em casa se estava chovendo, por exemplo. E quando eu voltava, eu ainda conseguia pintar, seguir o tracejado, fazer colagens. Esse aprendizado eu carrego comigo até hoje!

Anos depois, com a Lecília, redescobri os prazeres da leitura, com a coleção Vagalume. Ela me emprestava livros, eu pegava na biblioteca. Dois anos depois, eu já havia lido alguns clássicos, incluindo Machado de Assis e Shakespeare. Foi mais ou menos nessa mesma época que descobri que não poderia ser uma arquiteta, como imaginava, porque dependeria de uma coisa chamada Matemática, que cada vez ficava mais complicada.

Com as inúmeras professoras de Inglês que tive, cheguei à conclusão de que a educação estava mesmo falida. Uma delas, porém, despertou minha paixão pela língua: Tatiane foi a primeira que parecia saber do que estava falando (e sabia mesmo) e me fez ver como era divertido ver uma série e compreender o que era dito sem depender das legendas. Acho que devo a ela cada centavo do que ganhei como professora de Inglês, anos depois.

Com a Maria Helena, descobri que, se tudo desse errado e eu não conseguisse fazer algo de que realmente gostasse, poderia virar professora do Cefet. Seria uma bela oportunidade, andar de carro novo, faltar de vez em quando, não fazer esforço algum para que os alunos aprendessem e ser bem paga para tal. Infelizmente, foi um ano inútil de “aulas” de História, que só aprofundou meu desgosto por aquilo que (não) aprendi: a Antiguidade. Foi o Magno, ainda no Cefet, que me mostrou que eu estava no lugar errado. Muito exigente (e nem sempre educado), ele nos fazia montar circuitos e diferenciar diodos e calcular isso e aquilo. Foi quando eu desisti do curso por inteiro.

Já no Equipe, no ano seguinte, descobri que a Física não é, na verdade, o inferno na Terra. Foi o Ormeu que me mostrou o lado interessante da calorimetria – veja só! Foi ele quem me proporcionou o meu primeiro 10 na matéria e as fórmulas na prova, me libertando da decoreba – tudo isso usando uma camiseta do Rolling Stones. E veio o Josenilson, com seu jeito de baiano arretado, iluminar as terças-feiras. Jose me mostrou que eu não precisava andar com a gramática debaixo do braço para compreender a língua. Não eram apenas os exemplos que ele dava, fazendo piadas com os nossos nomes e inventando apelidos. Era a simplicidade com que nos fazia compreender até o que considerávamos complicado. Além disso, os debates que ele sempre propunha abriram os horizontes daquela menina de 16 anos. O Marco Antônio e o Flávio mostraram o lado divertido da Biologia, que eu já tinha me acostumado a não gostar. Desde imitações do reino animal a trocadilhos engraçados, eles me ensinaram a ver com outros olhos, e por isso sou muito grata.

Depois de tantas boas memórias, me recuso a acreditar – e a aceitar – que a educação não tem jeito. Acredito, isso sim, que os bons professores tem o poder de transformar, tanto o bom aluno quanto o ruim. Querendo ou não, são pessoas que tem um papel importantíssimo em nossas vidas, e a quem deveríamos ser um pouco mais agradecidos. A eles, então, o meu muito obrigada.